Pular para o conteúdo principal

Site PolicialBR

Acordo proposto pelo TSE a partidos visa reduzir disseminação de notícias falsas nas eleições

Maioria dos partidos já se comprometeu a “manter o ambiente de higidez informacional, de sorte a reprovar qualquer prática ou expediente referente à utilização de conteúdo falso no próximo pleito”

Dos trinta e cinco partidos existentes no Brasil, trinta assinaram o termo de compromisso proposto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a propagação das notícias falsas durante as campanhas eleitorais deste ano. Conhecidas pelo termo em inglês fake news, esse fenômeno envolve a distorção de fatos, a desinformação, a informação incompleta e enviesada e as mentiras descaradas. 

Ainda há tempo hábil para que os partidos que ainda não assinaram o termo de compromisso contra as fake news o façam, pois o TSE não estabeleceu um prazo limite.

O PCdoB foi um dos partidos que se comprometeram a lutar contra as fake News. Para o líder do partido, deputado Orlando Silva (SP), notícias falsas significam risco para a democracia tanto em eleições locais quanto nacionais. 

“Porque sempre que você manipular a opinião pública e adulterar a formação da opinião de um cidadão está ferindo a democracia. Por isso que creio que é muito importante o acordo e a discussão de uma legislação mais dura pra combater as notícias falsas.”

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), cujo partido também assinou o compromisso do TSE, apresentou projeto de lei para incluir a punição às fake news no Código Penal. Ele diz, por trás da prática, “está o cidadão covarde, que não tem coragem de dizer o que pensa, não sustenta o que diz. Ele se esconde no obscurantismo das publicações falsas para depreciar, denegrir a imagem das pessoas”, afirma.

Líder do DEM, partido que também assinou o termo de compromisso, o deputado Rodrigo Garcia (SP), diz que, além do monitoramento da internet, é preciso que o cidadão não acredite em tudo que vê, cheque as informações e a fonte. Os partidos políticos e os próximos candidatos, acrescenta, também devem atuar para combater a prática. 

“Muitas vezes, você está disputando eleições, pedindo voto, o eleitor te faz um questionamento. Muitos desses questionamentos, já na última eleição, em 2014, eram baseados em notícias falsas. Então, cabe a você explicar, com toda a tranquilidade, mostrando que aquilo não era verdadeiro. Isso deve crescer nessas eleições”, avalia.

Danos
Na prática, os danos causados pelas fake news podem ser devastadores, como conta o líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ) mais um partido a assinar o compromisso contra as fake news. “Vivemos uma experiência dolorosíssima, em termos de fake news, em março deste ano, após a execução bárbara de Marielle Franco, nossa vereadora no Rio, e seu motorista Anderson Gomes. No dia seguinte começaram a caluniá-la. Nós reagimos de maneira veemente, inclusive buscando a Justiça. Isso diminuiu”, afirma. 

Segundo o deputado, ainda hoje a família de Marielle ouve ilações e comentários cruéis e abomináveis. “Há uma questão que é da cultura brasileira, hoje em dia muito apequenada, muito eivada de ódio, de preconceitos. Isso vai levar tempo para ser superar, mas a gente tem que começar, por isso mesmo, desde já”.

Partidos
Assinaram o acordo até o momento, segundo o TSE: PTB; PDT; DEM; PCdoB; PCB; PSB; PODE; PSDB; PSC; PRP; PV; PPS; AVANTE; DC; PPL; PP; MDB; PHS; PSL; PRB; PSOL; PR; PSD; PRTB; PATRI; PROS; PMN; SD; NOVO; e REDE.
Reportagem – Newton Araújo
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Aluna do campus da UEPB de Guarabira é impedida de fazer prova por estar com farda da PM

Não foram reveladas as identidades da pessoas envolvidas na polêmica. Na tarde desta terça-feira (31), uma aluna do curso de Direito da Universidade Estadual da Paraíba, em Guarabira, foi impedida de fazer uma prova por estar usando uniforme da Polícia Militar, instituição que trabalha e concilia com curso universitário. Imagens que circulam nas redes sociais mostram um oficial da PM conversando com o coordenador com curso, professor Agassiz Almeida, argumentando que precisava ouvir a professora que teria impedido a aluna fazer a prova. Não foram reveladas as identidades da pessoas envolvidas na polêmica.
Fonte Portal 25 horas

A estratégia de Bolsonaro

Por que, se o horário eleitoral é tão decisivo, ele abriu mão do tempo de TV na escolha do vice?
o escolher como vice o general Augusto Heleno, do insignificante PRP, o pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL) abriu mão da negociação com o PR do mensaleiro Valdemar Costa Neto e de dois minutos díarios no horário eleitoral gratuito da TV. Sem o PR, Bolsonaro terá algo como dez segundos no bloco de 12min30.
Quem acompanha as eleições no Brasil sabe da importância do horário eleitoral gratuito. De acordo com um levantamento da consultoria Arko Advice, nas últimas sete eleições presidenciais, a corrida só encontrou seu rumo após o início da campanha televisiva.
É nesse momento que a maior parte dos eleitores costuma conhecer os candidatos e escolher seu voto para valer. A importância da TV cresce diante da atual incerteza eleitoral, maior que em todas as últimas eleições. Os votos indefinidos – aqueles que dizem votar em branco, nulo ou ninguém – chegam a 70% nas pesquisas espontâneas e passam …

Lei cria o Ministério Extraordinário da Segurança Pública

Lei 13.690/18, que cria o Ministério Extraordinário da Segurança Pública e transforma o Ministério da Justiça e Segurança Pública em Ministério da Justiça, foi publicada nesta quarta-feira (11) no Diário Oficial da União. O texto aprovado com vetos pelo presidente da República, Michel Temer, é decorrente da Medida Provisória 821/18.

É de competência do novo ministério a articulação com os órgãos dos entes federativos (Distrito Federal, estados e municípios) e as entidades de coordenação e supervisão das atividades de segurança pública. À pasta, também cabe planejar e administrar a política penitenciária nacional.

Vetos
Pelo PLV, todos os órgãos federais de policiamento ficariam sob a jurisdição do novo ministério: polícias federal, rodoviária federal e ferroviária federal. No entanto, o veto do presidente da República exclui da estrutura o departamento de Polícia Ferroviária Federal e as guardas portuárias. Também foram vetadas por Michel Temer a criação do Instituto Nacional de Estud…